Boletim #27 (19 de junho de 2020)

É urgente alargar a rede de ciclovias ao espaço urbano para permitir o seu uso nas viagens casa-escola, casa-trabalho e casa-espaço-urbano/lazer

 

 

É urgente alargar a rede de ciclovias ao espaço urbano para permitir o seu uso nas viagens casa-escola, casa-trabalho e casa-espaço-urbano/lazer

A ausência de ciclovias é a principal razão para o fraco uso quotidiano de bicicletas e outras modalidades ativas de transporte (skate, trotineta), pois a utilização partilhada das vias destinadas aos veículos automóveis é muito perigosa. Acresce que, nas atuais circunstâncias sanitárias, importa contrariar o retrocesso que representa a relutância ao uso dos transportes públicos e o regresso massivo aos automóveis e que tem consequências desastrosas para a mobilidade urbana e para o ambiente. As bicicletas, por serem de uso individual, também garantem o sentimento de segurança sanitária.
É indispensável elaborar e aprovar rapidamente um plano com a expansão da rede ciclável para a cidade e periferia de Coimbra. Entretanto, deve-se avançar de imediato para a formalização de ciclovias, ainda que de forma expedita (simples marcação no pavimento, uso de floreiras, outras soluções temporárias), tirando partido dos fluxos de tráfego atuais que se mantêm relativamente reduzidos e das fontes de financiamento previstas no âmbito da Estratégia Nacional para a Mobilidade Ativa 2020-2030 (ENMAC 2020-2030). Essas soluções temporárias e flexíveis permitem ainda testar as soluções antes da sua formalização definitiva. Paralelamente, deve a Câmara Municipal de Coimbra (CMC) chamar a si o mercado competitivo para disponibilização de sistemas partilhados de bicicletas (normais e elétricas), trotinetas e outras modalidades de micromobilidade.
Este é um momento de revalorização urbana e de reforço de políticas de mobilidade sustentável, o qual deve ainda ser aproveitado para definir e reforçar uma política estratégica de cidade verde, atual e inclusiva.

Ler mais informação aqui.

Somos Coimbra inicia eleições internas com processo inovador

Entre as 9h00 de 17 de julho e as 22h00 de 18 de julho, os cerca de 250 integrantes ‘formais’ do Grupo de Cidadãos Eleitores Somos Coimbra vão participar num processo eleitoral para eleger o Coordenador do Movimento e a Comissão Política para o próximo quadriénio.
A eleição vai decorrer por via digital, através da internet, num processo inovador em Portugal. Usa uma plataforma internacional reconhecida, que dá todas as garantias de rigor e confidencialidade, podendo cada um votar pelo computador ou por smartphone, o que permite uma maior participação e cumpre estritamente as recomendações das autoridades de saúde. Até ao próximo dia 9 de julho decorre o período de apresentação das listas, tendo já sido validado o caderno eleitoral.

Se quiser integrar formalmente o nosso movimento, contacte-nos. Todos não somos demais para o desafio de desenvolver Coimbra.

Ler mais informação aqui.

Concessão privada da Piscina de Celas por 40 anos prejudica interesse público

Na última Reunião de Câmara, sem prévio debate das alternativas possíveis, a CMC propôs um surpreendente processo de privatização da piscina de Celas e dos terrenos anexos durante 40 anos, sem definir qualquer obrigação de serviço público ou de regras que salvaguardem a utilização pública desse equipamento.

O Somos Coimbra considera que há um claro benefício aos privados, com prejuízo do interesse público, pelo que votou contra pois, nos termos propostos e durante este período, de várias gerações, passará a ser uma piscina exclusivamente privada, deixando este ónus para estas gerações futuras.
Lamentavelmente, continua a não haver uma Carta Desportiva do concelho que possa enquadrar devidamente esta proposta. A razão é simples, a CMC não tem uma política desportiva, limitando-se a decisões avulsas.

Ler mais informação aqui.


Projeto de MetroBus em Coimbra deve ser referência a nível nacional e até europeia

O projeto de MetroBus em Coimbra será o primeiro projeto de bus rapid transit (BRT) em Portugal, pelo que o Somos Coimbra tem afirmado insistentemente que importa transformar este projeto numa referência a nível nacional e até europeia. O pior que poderia acontecer a Coimbra é contentar-se com “migalhas” e deixar fugir essa referência para outras cidades como Braga ou Guimarães, que já iniciaram estudos de viabilidade para implementação deste tipo de sistema nas suas cidades.
Por isso, a CMC deve articular com a IP-Infraestruturas de Portugal todos os detalhes e projetos de especialidade, de forma a transformar este projeto num modelo de sucesso a ser replicado noutras cidades de média dimensão. Infelizmente, cada vez mais o ‘metro’ de Coimbra está a ser gravemente despromovido para uma mera linha de autocarro, que poucos problemas irá resolver.

O Somos Coimbra considera inaceitável que, em muitos locais, o domínio de intervenção se limite praticamente ao espaço canal do BRT, como se de um canal vedado e estanque se tratasse. No trecho agora submetido à aprovação (Portagem-Alto de São João), o BRT atravessa espaços urbanos ou com potencial urbanístico, pelo que importa alargar o domínio de intervenção e incluir, como parte integrante do projeto, as correspondentes ligações pedonais e cicláveis entre as estações e as bolsas urbanas com maior potencial de procura.

Ler mais informação aqui.


A freguesia aos olhos da equipa Somos Ceira

Uma terra que vista do céu revela a sua beleza particular e o enorme potencial para se tornar uma referência no Município de Coimbra. Apaixonante e de uma natureza vibrante, com as águas do rio Ceira. A equipa do Somos Coimbra de Ceira apresenta a freguesia como nunca a viu.

Ver vídeo aqui.