Executivo socialista leva a mesma versão do Orçamento à reunião da CMC

O Executivo socialista, que é minoritário, vai levar à próxima reunião da Câmara Municipal de Coimbra (CMC), agendada para a próxima segunda-feira, uma versão das Grandes Opções do Plano (GOP’s) e do Orçamento para 2020 que é igual em substância e valores à recentemente chumbada na Assembleia Municipal.


O Movimento Somos Coimbra informa que não recebeu nenhum contacto negocial por parte do Partido Socialista (PS) e considera que a apresentação da mesma versão dos documentos representa uma afronta à democracia, uma vontade não democrática de impor a opinião da minoria e uma falta de respeito pela maioria dos munícipes de Coimbra, cujos representantes entenderam e justificaram, fundamentadamente, reprovar a falta de estratégia de desenvolvimento e de diálogo do PS, que com esta obstinação presta um mau serviço a Coimbra.


O Somos Coimbra lamenta também que a tática usada pelo Executivo socialista de Coimbra seja exatamente a oposta à que se assiste a nível nacional para que o Orçamento do Estado para 2020 possa ser aprovado. Por exemplo, após uma reunião entre António Costa e Catarina Martins, onde foram acordadas diversas alterações à proposta do Governo de Orçamento de Estado para 2020, o Bloco de Esquerda anunciou que vai abster-se na votação do Orçamento na generalidade, permitindo a sua viabilização.


Nesse sentido, o Movimento Somos Coimbra considera que após o chumbo do Orçamento na Assembleia Municipal por parte de todas as forças políticas da oposição, seria de esperar por parte do PS mais diálogo com os outros partidos e movimentos representados no município.


Os problemas de Coimbra não se resolvem com vitimização simplista nem com dramatizações teatrais e extremistas, mas sim com diálogo construtivo. Recorda-se que noutros concelhos do país o PS também chumbou orçamentos e certamente não é por essa razão que pode ser qualificado como força de bloqueio.


Agora, como se pode esperar um desfecho diferente perante documentos iguais? Votaremos da mesma forma. Se, debatendo-se o mesmo documento, alguém alterar a sua votação, terá de explicar aos cidadãos, com muito detalhe, as razões pelas quais o fez. O Movimento Somos Coimbra encarregar-se-á de garantir que essa questão não passará em branco.


Em democracia quem não tem maioria deve procurar o diálogo e a concertação. Mesmo tendo maioria, é saudável que o faça. O Movimento Somos Coimbra mais uma vez manifesta a sua disponibilidade para trabalhar numa proposta que sirva Coimbra, estando aberto ao diálogo, assim o PS o pretenda.