Boletim #25 (5 de junho de 2020)

Há 3 anos que a CMC impede a criação em Coimbra de um Centro de Treino de Alto Rendimento de Natação

 

 

 

 

Há 3 anos que a CMC impede a criação em Coimbra de um Centro de Treino de Alto Rendimento de Natação

No final da semana passada, a Federação Portuguesa de Natação (FPN) criticou a Câmara Municipal de Coimbra (CMC) por esta não cumprir um protocolo que aprovou e acordou em 2017.
Todavia, a questão remonta a julho de 2017, ainda no anterior mandato, quando o executivo da CMC aprovou por unanimidade um Contrato-Programa de Desenvolvimento Desportivo para criação do Centro de Treino de Alto Rendimento Desportivo Universitário de Natação em Coimbra, entre o Município de Coimbra, a FPN e a Associação de Natação de Coimbra. Inexplicavelmente, apesar de inúmeras insistências das outras partes, passados três anos o contrato continua por assinar por ausência de resposta da CMC, que não apresentou até à data qualquer razão para não assinar o documento.
O Somos Coimbra entende que esta demora por parte da autarquia denota, mais uma vez, aquela que tem sido a falta de iniciativa e proficiência da CMC na promoção e na atração de investimento ou de atividades para o concelho. Para além de não criar condições favoráveis ao desenvolvimento, mostra ser apenas eficaz a dificultar o trabalho das mais diversas entidades. É incompreensível que uma atividade tão consensual como a promoção do desporto no concelho, algo que influencia a imagem de Coimbra, nacional e internacionalmente, seja secundarizada e perturbada desta forma pela autarquia.

Ler mais informação aqui.

Opinião de José Manuel Silva no “Diário de Coimbra”: “A indignação do Porto e a indignação de Coimbra”
“Rui Moreira, o edil independente do Porto, desdobrou-se em entrevistas e intervenções, criticando com veemência o plano da TAP para a retoma dos seus voos em junho, centrado em Lisboa. O Norte indignou-se em uníssono, sem delongas nem hesitações, sem poupar nos decibéis nem nas palavras. 

O ruído foi de tal forma que o Presidente da República e o Primeiro Ministro se pronunciaram criticamente sobre o plano da TAP, que foi obrigada a revê-lo. Com resultados positivos.

Muito mais do que uma cidade, o Porto assume-se como epicentro cultural, económico e político de uma imensa área metropolitana, que rivaliza com a capital e que não admite ser relegada para segundo plano. 

E em Coimbra, o que se passa?”

Ler opinião completa aqui.

Redução da fatura da água: Dinheiro maioritariamente deitado ao charco

A CMC anunciou em abril a redução do valor da fatura da água, durante os meses de abril a junho, para famílias, empresas, serviços e instituições de solidariedade social, no âmbito das medidas de apoio para minimizar o impacto socioeconómico provocado pela pandemia da COVID-19.

Já tendo sido emitidas faturas incorporando essa redução, confirma-se que se trata de um desconto de menos de três euros por mês, para um total de pouco mais de oito euros no conjunto dos três meses. Não admira que o Somos Coimbra tenha recebido várias mensagens a evidenciar a inutilidade e a falta de critério social deste apoio. 

Com efeito, para famílias em condição económica estável, oito euros em três meses não têm qualquer relevância. Aliás, muitos munícipes nem se aperceberam da redução na fatura do mês de maio. Já para quem está a passar por sérias dificuldades, oito euros, em três meses, são uma espécie de esmola que não resolve nada. A CMC desperdiça assim mais de meio milhão de euros (cerca de 600 mil euros). O apoio deveria ter sido concentrado em quem verdadeiramente precisa, tal como previamente proposto pelo Somos Coimbra, em vez de espartilhado entre todos, sem critério.

Ler mais informação aqui.

 

Somos Coimbra visitou a Cozinha Económica

A Associação das Cozinhas Económicas Rainha Santa Isabel (ACERSI) tem como missão acolher e apoiar famílias e/ou indivíduos em situação de vulnerabilidade socioeconómica. Servem 864 refeições por dia, um esforço financeiro enorme para uma estrutura com 22 funcionários. No entanto, mantiveram-se abertos, em regime de take-away, durante o Estado de Emergência.

De forma a apoiar o trabalho da Associações, recentemente, os dois vereadores do Somos Coimbra visitaram a Cozinha Económico e fazem um apelo: “Vamos ajudar a Cozinha Económica e, dessa forma, os mais carenciados desta cidade? Faça-se sócio!”.

Ler mais informação aqui.