Posição do SC sobre o Sistema de Mobilidade do Mondego – Projeto de Execução da Linha do Hospital


Fotografia "Notícias de Coimbra"

Intervenção dos vereadores do Somos Coimbra sobre o Sistema de Mobilidade do Mondego – Projeto de Execução da Linha do Hospital, apresentado na Reunião de Câmara de 22 de fevereiro, depois de a Reunião ter sido interrompida a pedido da vereadora Ana Bastos para consulta do processo (que não foi previamente disponibilizado aos vereadores)


O projeto do MetroBus, apesar das sucessivas amputações e descaracterização que tem vindo a sofrer ao longo do tempo, não deixa de ser a oportunidade que a cidade tanto esperada para fomentar a alteração do paradigma da mobilidade urbana. Por isso, o Somos Coimbra lhe tem dado a importância devida e desde cedo se prontificou a dar contributos no sentido de melhorar o projeto global. Contudo, confrontamo-nos sistematicamente com uma barreira inultrapassável em “betão armado”, imposta pelo PS Coimbra, no sentido de nos silenciar, com um total desrespeito pelo regimento da Câmara Municipal de Coimbra (CMC) em vigor e sobretudo pela democracia e cidadania.


A leitura é obvia! O PS tem vergonha do projeto que promoveu em conivência com o Governo para Coimbra. Tanto assim é que o esconde não só da oposição, mas também da população coimbrã.


Sr. Presidente, desafiamo-lo aqui a disponibilizar este projeto no site da CMC ou, se preferir, a convidar a Metro Mondego (MM) ou as Infraestruturas de Portugal a fazê-lo. Afinal, os conimbricenses merecem conhecer o projeto em curso e, sobretudo, deixar de sonhar com o metro ligeiro de superfície divulgado em 2010 e que nunca será concretizado, por falta de força do PS local.


Este é o projeto do PS, que se resume ao esticar de um tapete vermelho que atravessa a cidade, sem que se aproveite a oportunidade para requalificar, reabilitar e dinamizar os espaços atravessados.


Afinal o que é que o PS quer esconder? Com ou sem acesso ao projeto, nós lembramo-lo:


1. Esconde que, por incapacidade de planeamento e gestão, as poucas obras executadas ao longo do último mandato pelo PS são afinal para destruir, tendo-se literalmente deitado ao lixo mais de 1,5 milhões de euros. São exemplo:

a. A beneficiação da passagem inferior ao caminho de ferro para acesso ao choupal que vai ser soterrada para dar lugar a uma grande praça;

b. A construção da rotunda na av. Aeminium que terá de ser reformulada;

c. A Av. Central, pese embora ainda nem te entrado ao serviço, terá de ser alargada para garantir a integração do novo perfil transversal;

d. A Av. Lourenço Almeida Azevedo cujos passeios e zonas de estacionamento acabadinhos de beneficiar serão novamente reformulados;

e. E não integramos aqui a praça de Cruz de Celas porque felizmente o SC alertou atempadamente para situação e, por sorte, o contrato de empreitada foi rescindido.


2. Esconde que, apesar da CMC aprovar um projeto para a Praça Mota Pinto, a MM mantém em sede de projeto de execução o desenho da atual rotunda.


3. Esconde que o PS, para além de se ter mostrado incapaz de implementar um sistema de metro ligeiro de superfície, não foi capaz de garantir que o serviço cobrisse o Polo I, o maior polo de procura da cidade. Até o elevador para mitigar o problema da subida das Escadas Monumentais terá de ser pago pelos conimbricenses.


4. Esconde que todos os semáforos da cidade serão substituídos, mas limitados à gestão da passagem do MetroBus. A regulação semaforizada do tráfego, a manter-se, terá de ser assegurada e suportada pela cidade.


5. Ou será que quer esconder que, na estação da Pç. 8 de Maio, a ligação da plataforma à praça que lhe dá o nome tem de ser assegurada por dentro de um edifício camarário. E que ao invés do cais ficar inserido numa praça pedonal, aberta e requalificada, terá de confrontar com a traseira de um edifício, sendo a própria CMC a abortar a reabilitação e requalificação daquele espaço?


São estas e muitas outras razões que, com acesso ao projeto, ou impedidos de o fazer, justificam o voto contra do Somos Coimbra, já que nos batemos pela excelência e pela defesa dos direitos e ambições da população de Coimbra.



Somos Coimbra

22 de fevereiro de 2021