CMC gastou 44 mil euros na compra de 648 floreiras por ajuste direto com a Modern Prodigy


Cartoon da autoria do Movimento Humor

2ª parte da intervenção do vereador José Manuel Silva Reunião na Reunião de Câmara de 9 de dezembro de 2020

A Câmara Municipal de Coimbra gastou 44 mil euros na compra de 648 de floreiras por ajuste direto com a Modern Prodigy, uma empresa que até à data parece que fez muito poucos negócios, mais parecendo ser uma barriga de aluguer, pelo que ficamos na dúvida de como terá sido escolhida por esta Câmara para tão volumoso negócio. Obviamente, aguardamos uma explicação, pois na sua ausência todas as especulações seriam admissíveis.


Segundo a revista "Sábado", que cita uma alegada fonte oficial da autarquia, a aquisição "prevê a instalação de divisórias, algumas com floreiras, que serão distribuídas gratuitamente pelos exploradores da restauração do concelho de Coimbra para colocação nas esplanadas, tornando esses espaços mais atrativos e seguros". Alegadamente, as divisórias terão de ser requisitadas à Câmara Municipal pelos estabelecimentos e, neste artigo de 24/11, é afirmado que até ao momento teriam sido apresentados nove pedidos de apoio, num total de 165 divisórias.


Pesquisámos no Portal da Câmara e não encontrámos nenhuma informação pública de comunicação aos empresários da restauração desta disponibilidade de divisórias e de floreiras, nenhuma fundamentação técnica a considerar estas floreiras como medidas de proteção anti-COVID-19, justificando assim a sua aquisição, e nenhum relatório sobre esta iniciativa.


Assim, pretendemos perguntar ao Sr. Presidente porque é que tal compra não foi divulgada no Portal da Câmara, porque foi feito este ajuste direto com a Modern Prodigy, onde foi publicitada a informação de que os empresários da restauração se podiam candidatar a este apoio, se no fim da pandemia têm de devolver as divisórias e as floreiras e quantas divisórias e floreiras já foram distribuídas e a que entidades. Pretendemos conhecer essas divisórias como clientes de uma ou mais dessas entidades.


Não satisfeitos com as parcas e confusas explicações apresentadas, o Somos Coimbra enviou formalmente novo pedido de esclarecimento ao presidente da autarquia, Manuel Machado, como pode ser visto aqui:

Lamentavelmente e como tem sido habitual, até à data, o Somos Coimbra não recebeu qualquer resposta, mesmo depois de ter insistido novamente:


Leia a primeira parte da intervenção do vereador José Manuel Silva aqui.

Leia a terceira parte da intervenção do vereador José Manuel Silva aqui.