Boletim #56 (8 de janeiro de 2021)

"CaracolBus" - Ao fim de 30 anos, o Metro dá lugar a autocarros lentos

 

 

"CaracolBus" - Ao fim de 30 anos, o Metro dá lugar a autocarros lentos

A Revista Coolectiva perguntou aos diversos líderes políticos da cidade se o Sistema de Mobilidade do Mondego dá resposta às necessidades da população, no âmbito da habitual rubrica "Questões Coimbrãs".

Ana Bastos, vereadora do Somos Coimbra, respondeu em nome do Movimento com um texto curto (editorialmente limitado a 2000 caracteres).

Segundo a vereadora, “o projeto apresenta-se amputado de componentes básicas e deficitário a vários níveis, com perdas de qualidade, eficiência e atratividade. As dúvidas sobre a viabilidade do sistema de guiamento automático no trecho suburbano, fazem antever um sucessivo abaixamento da velocidade de operação para garantia da segurança nos túneis, pondo em causa a competitividade do sistema”. O sucessivo abaixamento da velocidade faz assim antever um verdadeiro “CaracolBus”, o que é lamentável para a imagem de Coimbra, depois dos sucessivos e avultados investimentos feitos.

Ana Bastos acrescenta que “o Sistema de Mobilidade do Mondego era a oportunidade aguardada há décadas para estimular a alteração do paradigma da mobilidade em Coimbra, afirmando-se como a espinha dorsal de um sistema que se quer inclusivo e eficiente. Afinal, teremos acesso a mais uma linha de autocarros. Coimbra merecia muito mais!”.

Cartoon da autoria do Movimento Humor

Ler mais informação aqui.

“Câmara de Coimbra prejudica freguesias e não cumpre a Lei” – opinião de José Manuel Silva no “Diário de Coimbra”
Recentemente, o vereador do Somos Coimbra, José Manuel Silva, publicou no “Diário de Coimbra” um artigo de opinião onde dá conta das ilegalidades cometidas pela Câmara Municipal de Coimbra (CMC) e pelo PS Coimbra no processo de transferência de competências do Município de Coimbra para os órgãos das Freguesias, tal como já aqui demos conta.

Segundo o vereador, “corretamente, a lei não permite que a Câmara Municipal imponha unilateralmente o que quer que seja, mas é exatamente isso que o PS de Coimbra está a fazer, sem qualquer negociação. O Presidente da CMC não sabe o que é negociar, só sabe impor”.

“Não aceitamos, e por isso recusámos votar, que a Câmara e o PS retirem ilegalmente competências às freguesias e tratem as Juntas de Freguesia como meras tarefeiras administrativas da CMC e como órgãos autárquicos de menor dignidade e capacidade, prejudicando gravemente as freguesias, que assim ficam impedidas de fazer mais e melhor pelos seus residentes”, defende ainda José Manuel Silva.

“Tudo isto é ainda mais chocante porque praticado no concelho de Coimbra, perante o Presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses e da Associação Nacional de Freguesias, que são ambos do PS, quando ambas as instituições deram parecer favorável ao DL 57/2019”, remata o vereador do Somos Coimbra.

Ler opinião na íntegra aqui.

Estratégia local de habitação 2020-2030 do Município de Coimbra marcada por "pouca ambição"

Na passada Reunião de Camara, foi apresentada a Estratégia local de habitação 2020-2030 pelo vereador da Habitação, Francisco Queirós. Face à “indefinição e pouca ambição” do plano apresentado, os vereadores do Somos Coimbra abstiveram-se nesta votação.

Entre as várias apreensões levantadas, o Somos Coimbra mostra uma grande preocupação pelo facto de a resolução das graves carências habitacionais de 600 agregados familiares ter sido considerada apenas como uma “prioridade intermédia”.

O Somos Coimbra salientou ainda uma conclusão da análise SWOT feita na Estratégia de Habitação em que é referido a “ausência de estratégia e de clareza nas opções de planeamento”, afinal o principal fator responsável pelos graves problemas atuais na habitação social, que tanto sofrimento têm originado. Basta olhar as tantas dezenas de fogos a aguardar reabilitação nos bairros camarários, tal como já foi referido.

Ler posicionamento dos vereadores do Somos Coimbra na íntegra aqui.

Somos Coimbra em visita à Estação Arqueológica de São Martinho de Árvore

Logo no primeiro fim de semana de 2021 o Somos Coimbra continuou o seu trabalho de proximidade nas freguesias do concelho, desta vez com uma visita a São Martinho de Árvore. 

Através da visita à Estação Arqueológica, o Somos Coimbra comprometeu-se a prosseguir o estudo da mesma, que muito pode contribuir para o melhor conhecimento da história e da cultura do concelho e do desenvolvimento da freguesia.

Desde 2012 que se conhece esta estação arqueológica, cujo estudo foi suspenso, não obstante se tratar de um terreno camarário.

O Somos Coimbra lamenta a atitude de abandono do local por parte da CMC, governada por uma maioria PS-PCP e entende que São Martinho de Árvore e Coimbra merecem este investimento, que terá um impacto extremamente relevante a vários níveis.

Ver mais informação aqui.

2021: O ano do aeroporto comercial em Coimbra… Ou então, não...
Agora que arranca um novo ano, importa recuperar uma promessa que marcou a campanha das últimas eleições autárquicas, em 2017.

A grande promessa eleitoral do Partido Socialista, imortalizada pela “palavra dada, palavra honrada” de Manuel Machado, de um aeroporto internacional em Cernache/Antanhol, o tal aeroporto de Coimbra, morreu desonrosamente, após mais algumas desperdiçadas dezenas de milhares de euros gastos em estudos que nada trouxeram de novo.

Afinal, os velhos e os novos estudos (disponibilizados aqui pelo Movimento Somos Coimbra) mostravam e provaram o que o Somos Coimbra sempre afirmou, que a promessa era impossível e que tudo não passou de uma enorme e ensaiada mentira que visava apenas enganar vergonhosamente o povo e conquistar votos.

Já em 2017, as contradições de Manuel Machado eram gritantes, onde no espaço de poucos meses, o socialista defende Monte Real e depois a ampliação do aeródromo de Cernache para acolher voos low-cost, como mostra este vídeo.

Recorde o vídeo de “A história de um aeroporto em Coimbra, por Somos Coimbra” aqui.

logo SC rs.png
IMG-20210107-WA0000.jpg