Boletim #18 (17 de abril de 2020)

Somos Coimbra publica carta aberta aos trabalhadores da CMC

 

 

 

 

 

 

Somos Coimbra publica carta aberta aos trabalhadores da CMC

Ao ter conhecimento de como tem sido difícil e desnecessariamente dificultada a vida e o trabalho dos funcionários da Câmara Municipal de Coimbra (CMC), em particular neste período da pandemia COVID-19, com muitos a serem impedidos de ficar em casa, sem razão plausível, e sujeitos a um verdadeiro mobbing laboral de múltiplas matizes, o Somos Coimbra lançou uma carta aberta aos trabalhadores da CMC.

“Acreditem que em breve poderão trabalhar numa instituição que vos respeite como pessoas e como funcionários, que reconheça as vossas competências, que privilegie o mérito e não o nepotismo, que promova a atualização de conhecimentos e a formação profissional, que respeite e cumpra a Lei, que ouça os vossos problemas e considere as vossas opiniões e sugestões, que corresponda aos vossos legítimos anseios, que fomente o vosso desenvolvimento pessoal e profissional”.

A esta questão acresce ainda o facto de pelo menos alguns dos trabalhadores da recolha dos resíduos sólidos urbanos não trazerem qualquer proteção facial, nem máscara, nem viseira, apesar de lidarem com lixo potencialmente contaminado e sujeitos a grandes deslocações de ar quando abrem os contentores e quando estão nas traseiras do camião.
O Somos Coimbra sugere que sejam disponibilizados a estes trabalhadores os equipamentos de proteção individual adequados contra a potencial transmissão do SARS-CoV-2, ou que seja cumprida a Lei e eles sejam obrigados a usá-los, visto que a tal não se podem recusar se lhes forem distribuídos, e apela à CMC uma resposta mais eficaz para as consequências desta pandemia. Por exemplo, a Câmara Municipal de Mafra está a distribuir a toda a população kits de proteção individuais.

Ler a Carta Aberta na íntegra aqui.

As 47 Medidas Municipais de Emergência propostas pelo Somos Coimbra não tiveram resposta da CMC

Preocupados com as consequências da pandemia provocada pela COVID-19 na vida social e económica dos munícipes de Coimbra, o Somos Coimbra apresentou, na passada semana, um conjunto de 47 medidas municipais de emergência. As medidas propostas, com vontade e espírito inteiramente construtivos, sendo na sua maioria novas, acresciam às medidas já anunciadas pela CMC.

No entanto, apesar do pedido de agendamento integral das 47 medidas à CMC, elaborado pelos dois vereadores do Somos Coimbra, a Câmara ainda não deu qualquer resposta e ignorou por completo as medidas apresentadas pelo Somos Coimbra, denotando a habitual rejeição, liminar e irracional, das propostas oposição, apesar dos seus benefícios para os munícipes. Desta forma, a resposta da Câmara às consequências económicas e sociais provocadas por esta pandemia continua a ser parca e insuficiente para a recuperação digna das famílias, das instituições e das empresas.

Recordar as 47 medidas aqui.

É urgente desenhar desde já um plano de recuperação da atividade económica e cultural
Este é o momento para planear a saída do estado de exceção, para que o sofrimento causado pela perda de atividade económica seja o mais pequeno possível. Reforçamos a necessidade de criar uma comissão municipal para a emergência económica, juntando a CMC, as associações empresariais e sindicatos com expressão no município, bem como académicos e empresários de referência, para elaborar este plano, como está inscrito nas nossas 47 medidas para enfrentar a situação atual. A defesa da saúde económica dos cidadãos do concelho não pode ser descartada pela Câmara Municipal, como se não fosse da sua competência.

A redução da taxa de Derrama ou a procura ativa dos casos de micro, pequenas e médias empresas, que estejam a ficar particularmente fragilizadas em resultado da luta contra a pandemia, para as ajudar a tirar partido dos programas de incentivos e medidas de recuperação económica para salvaguarda dos postos de trabalho, são ainda outras medidas propostas pelo Somos Coimbra neste âmbito.

Sendo o setor do turismo aquele em que, por depender essencialmente de procura externa, se prevê uma retoma mais lenta, o Somos Coimbra considera que se deve apostar desde já num Plano de Retoma do Turismo, para acelerar a recuperação da atividade e apoiar a sobrevivência das empresas ligadas ao setor.

Recordar as medidas de apoio às empresas e agentes culturais aqui.